Se você também terminou a faculdade de Direito sem saber como cobrar seus honorários advocatícios, saiba que você não está sozinho. Os jovens advogados, na sua maioria, não sabem como calcular seus honorários, tendo como referência apenas a tabela de honorários advocatícios da OAB, mas isto está longe de ser o suficiente.

Antes de tudo: Quanto vale a sua hora?

Se você ainda não sabe, vamos lá: Pegue o seu salário (se você for autônomo use a média do que recebeu nos últimos três meses) e divida pelo número de horas que você trabalha por mês.

Exemplo: 
Salário do Nelson: R$ 3.000
Horas trabalhadas no mês: 160 horas (8 horas por dia, 5 vezes na semana)
Preço/hora: R$ 18,75. 

Este é um cálculo simples para qualquer profissional saber o valor da sua hora de trabalho.

Além de descobrir o preço da sua hora, há outros indicadores financeiros e de desempenho relevantes que o advogado precisa analisar para descobrir as horas concedidas para cada cliente e para saber se esse cliente está dando lucro ou prejuízo – sim! Às vezes você pode estar pagando para trabalhar e não sabe. 

Primeiramente, para saber o custo do seu trabalho no processo e o custo do seu cliente por mês, você precisa dividir seus dias em horas nas seguintes formas:

  • Hora debitada: hora, por dia, que você fica disponível para o seu escritório;
  • Hora faturada: hora efetivamente trabalhada em cada processo do cliente;
  • Hora recebida: hora que realmente você recebeu por ter trabalhado no processo.

Exemplo 1: Nelson, advogado autônomo, quer saber qual é o custo do seu trabalho no processo da sua cliente Madalena: 
Nelson recebe R$ 6.000,00 e trabalha 120 horas por mês (horas debitadas): 6.000 / 120 = 50 (preço/hora);
Horas trabalhadas no processo da Sra. Madalena: 20 horas;
50 x 20 = 1.000 – esse é o preço do trabalho do advogado Nelson no processo da Sra. Madalena. 

Exemplo 2:  Agora Nelson quer saber quanto seus clientes custam por mês:
Despesas fixas do escritório: R$ 8.000,00
Nº de clientes: 08 
R$ 8.000 / 8 = 1.000 – esse é o custo mensal de cada cliente do escritório. 

Resultado: preço do trabalho no processo (R$ 1.000,00) + preço mensal do cliente (1.000,00) = R$ 2.000,00 – esse é o custo mensal que o advogado tem com a cliente Madalena.

Logo, podemos ver nesse exemplo que Nelson não teve lucro nenhum com esse processo, mas sim prejuízo, uma vez que apenas pagou despesas fixas do escritório e custas do processo.

O cálculo acima descrito depende da complexidade de cada ação, com tempo e experiência na sua área é possível já ter uma ideia do tempo de trabalho que cada ação vai demandar de você, mas de início é possível equilibrar as contas assim.

O importante é que no primeiro mês você receba no mínimo o preço de custo do seu trabalho e comece a lucrar nos meses seguintes. Tendo conhecimento desses números comece a estabelecer quanto você quer ganhar, priorize uma estrutura de trabalho enxuta (home office ou coworking) para que você possa estabelecer uma valor realista para os seus honorários e aumentar a margem de lucro.

Planejamento é fundamental para sua lucratividade, saber quanto custa seu cliente te permite entender quanto você pode cobrar dele. Os valores dos seus honorários não são fixos eles vão sendo reajustados proporcionalmente com aquilo que você contribui para entregar um melhor resultado, quanto mais autoridade, no assunto, mais você incrementa a experiência e o resultado que você oferece.

Giulliana Palmares, Advogada | Co-founder COETUS